Páginas

22 novembro, 2015

sou barriga

E eu - barriga. A vida cresce, esmaga tudo, toma espaço, não pede licença. E cresce, cresce. A barriga vai enchendo e ninguém tem controle.  Ninguém controla a vontade que a coisa tem de crescer, de nascer. Uma hora vai querer sair de mim. Não fiz muito. Eu existi, senti crescer. E ao mesmo tempo eu fiz tanto, que delícia. As vezes dá medo - como que pode. Foi gozo e agora é dor, calor, palavras que querem sair. Foi gozo e agora é roupinha sendo separada, é dor nas costas, ansiedade de conhecer, amor. Tudo cresce junto com o bebe. Mas ainda não é bebe - é vida.
É vida, é vida, sou vida.
Repito, quando dói demais - e a barriga continua a crescer. Não tenho controle de nada. E como eu amo não ter controle das coisas.

Repito pra mim: o corpo é meu. Quem manda nele sou eu.
Mas pode crescer
pode tomar espaço.
Cada buraco vazio dentro dessa barriga ,que é mundo, é teu.
Sou tua, mas sou eu.
e depois quando quiser sair vai doer e eu vou deixar doer.
Vou gozar cada pedaço da vida me escorrendo.
E depois vai mamar, pode mamar, o quanto quiser.
E depois vai andar, pode ir, eu acompanho.
Vou junto.

Sou essa coisa: barriga mundo carregada de sonhos.
Eu sempre tive medo de não ser eu, mas acabei sendo de verdade quando fui vocês ( e a barriga que cresce e cresce).





Um comentário :

Daila Roberta disse...

Flaaaa, Daila aqui! Amor que texto lindo*--* eu amo ler blogs e o seu agora com certeza é meu favorito *--*